PIB de Pernambuco cresce 2,2% no primeiro semestre de 2018

Desempenho de setores como agropecuária, indústria e serviços contribuiu para o crescimento, segundo a Agência Estadual de Planejamento e Pesquisa.

De janeiro a junho de 2018, a agropecuária em Pernambuco cresceu 17,3% em relação ao primeiro semestre de 2017 (Foto: Agência Estadual de Notícias/Reprodução)
De janeiro a junho de 2018, a agropecuária em Pernambuco cresceu 17,3% em relação ao primeiro semestre de 2017 (Foto: Agência Estadual de Notícias/Reprodução)

O Produto Interno Bruto (PIB) de Pernambuco teve um crescimento de 2,2% no primeiro semestre de 2018, em comparação com o mesmo período de 2017. De janeiro a junho deste ano, foram arrecadados R$ 89,6 bilhões e, nos primeiros seis meses do ano anterior, o valor chegou a R$ 81,8 bilhões. O aumento foi devido ao crescimento da agropecuária (17,3%), da indústria (3,1%) e do setor de serviços (1,2%).

O desempenho do PIB foi divulgado nesta segunda-feira (10) pela Agência Estadual de Planejamento e Pesquisa (Condepe/Fidem), vinculada à Secretaria de Planejamento e Gestão de Pernambuco (Seplag). Na comparação entre os dois primeiros trimestres do ano, houve crescimento de 0,6%, considerando o ajuste sazonal esperado para a economia nesses períodos.

No primeiro trimestre de 2018, o PIB chegou a R$ 45,1 bilhões e, no segundo, a R$ 44,4 bilhões. A variação de 0,6%, segundo a Condepe/Fidem, é devido ao desempenho do setor da agricultura, que teve crescimento de 8,2%; do setor da indústria, que aumentou 1,5% e do setor de serviços, que cresceu 0,2%, em comparação ao primeiro trimestre deste ano.

De acordo com o diretor de estudos, pesquisas e estatística da Condepe/Fidem, Maurílio Lima, apesar de a variação aparentar ser maior entre os dois semestres, é preciso levar em conta a inflação para calcular o real potencial da economia do estado.

“A capacidade física da economia é calculada descontando o efeito-preço dos produtos, a inflação. A variação desse índice da economia é a capacidade real da economia de produzir”, afirmou Maurílio.

Segundo o presidente da Condepe/Fidem, Gustavo Carneiro Leão, a questão climática chegou a afetar a produtividade do estado na agropecuária, mas a situação estabilizou-se.

“Superada a questão climática, pelo menos momentaneamente, vamos colher os frutos que Pernambuco plantou nos últimos anos. Investimos muito em infraestrutura e em capital humano, para que o estado chegasse à economia diversificada que tem hoje. A pauta de exportações de hoje é muito diferente daquilo que era há 20 anos, por exemplo”, explicou Gustavo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *