Covid-19: idosa não aceita ser vacinada por enfermeiro negro, em São Paulo

Uma idosa não permitiu que um enfermeiro negro a vacinasse em Taquaritinga, Região Central de São Paulo, nessa terça-feira (2). O caso de racismo aconteceu no Ginásio de Esportes Antônio D’Ambrósio, um dos postos de vacinação contra a Covid-19 drive-thru da cidade.

 (Foto: Osvaldo Silva/AFP)

Segundo informações, a idosa estava em um carro em companhia da filha que, no momento em que o enfermeiro se aproximou para realizar a aplicação da vacina, teria dito: %u201Cnão se aproxime da minha mãe%u201D. Acredita-se que a filha teria agido a pedido da própria idosa.

Após o ocorrido, o enfermeiro recolheu os documentos da idosa, entregou para outra profissional %u2013 que aplicou a vacina na mulher %u2013 e foi atender outros idosos que estavam nos carros.

A Prefeitura Municipal de Taquaritinga, por meio de assessoria, disse que %u201Cele (enfermeiro) não percebeu que era um caso de racismo%u201D. Disse ainda que o profissional recebeu apoio dos funcionários que estavam no local e da Secretaria de Saúde. A prefeitura confirmou o caso como sendo racismo.

As mulheres não foram identificadas e as câmeras de segurança estão sendo rastreadas a fim de identificar o veículo em que elas estavam no momento. Com isso, nenhum boletim de ocorrência foi registrado.

O Jornal Cidade On, da Região de Araraquara, também em São Paulo, informou que o enfermeiro é o único negro atuante no local de vacinação e que %u201Cele continuou vacinando os idosos até o encerramento da campanha, às 16h dessa terça%u201D.

A cidade já iniciou a imunização dos idosos acima de 77 anos e já conta com 4.502 doses aplicadas, o que equivale a 7,84% da população de pouco mais de 55 mil moradores.

Diario de Pernambuco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *