Trabalhador em condições degradantes de trabalho forçado vem a óbito em Garanhuns-PE

Trabalhador em condições degradantes de trabalho forçado vem a óbito na Boa Vista (Garanhuns-PE) enquanto descarregava caminhão de ração.

Nesta segunda-feira dia 12, o senhor Paulo Félix Gonçalves, de 51 anos, morador da cohab 2 da cidade de Garanhuns-PE, falece com morte instantânea não resistindo até a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência  (SAMU).  

De acordo com testemunhas, mesmo após a morte do Trabalhador, o provável empregador (relatado apenas como “o Patrão”) do negócio impediu que houvesse interrupções da carga e descarga do veículo, obrigando assim os colegas de Paulo Felix continuarem a trabalhar ao lado do corpo do já falecido companheiro, necessitando a interferência do agente do SAMU que afirmando a desumanidade absurda da ação do Patrão consegue impedir que continuem a trabalhar e possam ter um ato mínimo simbólico de luto. 

Este fato ocorrido nos faz refletir o que torna um individuo um ser social e não apenas uma maquina de trabalho do capitalismo, no qual sua existência é negada e silenciada, isto é, sua própria condição de cidadão portador dos basilares direitos humanos em frente ao retalhamento incessante do burgues dono dos meios de produção em busca dos lucros gerados através  do suor do trabalhador.

Por conseguinte em materialidade é mais um pai de família vítima do sistema de precarização do trabalho, tendo-se assim em prática uma existência de menos valor que o preço da mercadoria do patrão a ser descarregada. Convenhariamos em afirmar que se trata de mais um caso da nova cara do trabalho escravo no Brasil?

 

 

Caetés News   Emanuel Oliveira, historiador, mestrando em História Social da Cultura Regional pela Universidade Federal Rural de Pernambuco; e graduado em licenciatura em História pela Universidade de Pernambuco.  

One thought on “Trabalhador em condições degradantes de trabalho forçado vem a óbito em Garanhuns-PE

  • novembro 12, 2019 em 3:00 am
    Permalink

    Inacreditável o quão longe pode chegar a ignorância humana!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *