Médica é espancada ao tentar interromper festa clandestina no Rio

Ticyana Azambuja foi espancada, levou socos e teve os cabelos puxados por uma mulher.

Ticyana Azambuja foi agredida depois de reclamar de barulho de festa
© reprodução/redes sociais Ticyana Azambuja foi agredida depois de reclamar de barulho de festa

Imagens registradas por uma moradora do bairro do Grajaú, zona norte do Rio de Janeiro, mostram o momento em que uma médica sofre agressões por parte de frequentadores de uma festa clandestina.

A médica foi flagrada usando 1 objeto para quebrar o vidro traseiro de 1 carro, que pertencia a 1 policial militar. A atitude “impensada”, segundo ela própria, foi tomada depois de tocar a campainha do lote onde estava sendo realizada uma festa clandestina e ouvir 1 palavrão da pessoa que a atendeu.

Ticyana Azambuja publicou foto em seu facebook manifestando indignação
© reprodução/Facebook Ticyana Azambuja publicou foto em seu facebook manifestando indignação

A agressora de Ticyana estava abraçada ao policial militar Luiz Eduardo dos Santos Salgueiro, que teve o carro, estacionado irregularmente na rua, depredado por Ticyana. A Corregedoria da PM-RJ (Polícia Militar do Rio de Janeiro) instaurou inquérito para apurar a conduta dele no caso.

Ticyana disse que trabalha em 3 hospitais e que atua com pacientes com covid-19. Por isso, precisava descansar para o plantão seguinte, mas não conseguia devido ao barulho decorrente da festa.

© reprodução/Twitter
© reprodução/Twitter

A profissional de saúde teve o joelho esquerdo fraturado e sofreu lesões nas duas mãos, pisoteadas por frequentadores da festa.

O evento com aglomeração, segundo os moradores da região, é realizado com frequência, mesmo diante do fato de o Rio de Janeiro ser 1 dos Estados mais atingidos pela pandemia. Até a última atualização, mais de 5.400 mortes e 54.530 casos confirmados.

A médica foi às redes sociais comentar a agressão. “Quebrei o retrovisor e trinquei o para-brisas de 1 dos carros parados irregularmente na calçada. Depois, 5 marmanjos saíram e me agarraram em frente ao Hospital Italiano. Me enforcaram até desmaiar. Me jogaram no chão e me chutaram”, relatou.

A mulher disse que quando acordou depois das agressões pediu ajuda para os bombeiros da rua Marechal Jofre, mas que eles não prestaram socorro. “Riram de mim e disseram que meu lugar era apanhando no chão.”

Ticyana Azambuja foi levada por vizinhos para o hospital Rios D’or, em Jacarepaguá, na zona oeste.

Nas imagens a seguir, que circulam nas redes sociais, Ticyana aparece sendo carregada por 1 dos agressores durante o ato:

Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *